Ciclos do Amor: Vênus e a Estrela do Oriente


MAGOS VINDOS DO ORIENTE

Versa que os Reis Magos eram representantes de antigas Escolas de Sabedoria simbolizadas pelos presentes que ofertaram à Criança que acabara de nascer: - O Ouro vindo da Europa Oriental é a Alquimia e o Sol; - A Mirra vinda da Africa, é a Magia e a Lua; - O Incenso vindo do Extremo Oriente é a Astrologia, e Saturno ( Serge Raynaud de la Ferrière - Propósitos Psicológicos).

O fato é que não havia "email" naquela época, nem Facebook, nem "Whatsapp", Skype ou "Instagran"! Como saberiam, os Reis Sábios, vindos de Terras tão distantes, do nascimento de um Avatar, a não ser que tal acontecimento cósmico estivesse "escrito nas estrelas"?

Talvez seja esse é o simbolismo da Estrela de Belém... Se houve uma rara conjunção planetária naquela época, no céu do Oriente... não sei, mas para isso existem efemérides. Uns acreditam que tenha sido um fenômeno astronômico registrado por astrólogos, como uma brilhante conjunção de Júpiter e Saturno que ocorreu alguns anos antes do ano zero de nossa Era. Mas poderiam ser outros sinais, e sinais não tão visíveis ou aparentes no céu, mas inteligíveis, que aqueles Sábios, como possíveis bons entendedores das Mensagens das Estrelas, pudessem ler. A confirmação e ratificação de que nascera o "Avatar de uma Nova Era", astrologicamente conhecida como a Era de Piscis, é então, nesse comemorado dia, "legitimada" pela presença de tão ilustres senhores representantes das antigas Escolas de Sabedoria, vindos de lugares tão distantes: ao reconhecerem-se, no mesmo tempo e lugar! Sincronicidade? Talvez, mas é seguro que eles, para estarem ali, previamente "con-sideraram" a importância de tal fenômeno, e com este conhecimento despistaram a fúria de Herodes, e foram, acima de tudo, como conta a história, verdadeiramente os "Salvadores do Salvador". Belo simbolismo. Fico só imaginando o que conversaram entre si, em volta de alguma fogueira... naquelas cumpridas noites gélidas do inverno deserto, na mais profunda escuridão de uma civilização, com o céu coalhado de estrelas, e uma em especial, como 🌟 Estrela Guia, a Estrela do Oriente, esta sim o maior presente, a iluminar o caminho e a direção a ser seguida. Feliz dia esse dos Reis!!!

*** "Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que vieram magos [astrólogos] do Oriente a Jerusalém, perguntando: 'Onde está o rei dos judeus recém nascido? Com efeito, vimos a sua estrela no Oriente e viemos homenageá-lo' (Mateus 2,1-2) - citação do Papa Bento XVI, em RATZINGER, J. A Infância de Jesus. São Paulo: Planeta, 2012, p.79. Ainda sobre os magos: "...embora não pertencessem exatamente à classe sacerdotal persa, eram portadores de um conhecimento religioso e filosófico que se desenvolvera a achava-se ainda presente naqueles ambientes". ... "talvez fossem astrônomos; mas nem a todos os astrônomos que eram capazes de calcular a conjunção dos planetas (Júpiter e Saturno, ou quem sabe o ciclo de Vênus?) a observaram; veio o pensamento de um Rei em Judá que era importante para eles." ... 'Os homens de que fala Mateus não eram apenas astrólogos; eram "sábios": representavam a dinâmica de ir além de si próprio, que é intrínseca à religião; uma dinâmica que é busca da verdade, busca do verdadeiro Deus e, consequentemente, também filosofia no sentido originário da palavra. "

www.oficinadeastrocoaching.com/venus

Nesta época do ano, muitos se transportam para aquele tempo, que faz alusão a um tempo que não tem tempo: o tempo da duração.

O Solstício de Inverno no Hemisfério Norte ocorre, desde sempre, desde muito antes do tempo das comemorações do Natal. É o tempo da pausa, quando a natureza entra.no pousio. O céu, e o Zodíaco, é um disco da memória da vida viva que nunca foi nem nunca será destruído. Um livro aberto para quem sabe ler e tudo que nele está registrado, a história do Tempo, pode ser revisitado, se não pela imaginação, pela mediação dos símbolos astrológicos, os ciclos planetários, a geometria sagrada, de movimentos harmônicos perfeitos, vistos desde a perspectiva da Terra. Neste Grande Plano Infinito, os planetas, como pontos luminosos, descrevem pequenos planos em.suas órbitas celestes em torno do Sol, como encontram co-respondência os planos que os homens fazem no mundo da vida na Terra.

"Con-siderando" tais ciclos planetários, de todos, o único planeta que descreve uma trajetória visível no céu do Oriente, e que a cada dia, em poucos dias, em movimento de Retrogradação, "desce" perceptível à Terra, indicando um possível lugar geográfico, uma direção a seguir, é o planeta Vênus; seu ciclo de conjunções com o Sol desenho no Céu, uma 🌟 Estrela de cinco pontas perfeita, ao longo de 8 anos, expressa os atributos de Harmonia e Beleza da Divindade: a 🌟 Estrela Vésper, que aparece logo após o Sol se pôr, como que zelando pelo sono do Herói Mítico Solar, a cada noite é vista durante sua fase vespertina do ciclo de Retrogradação, descendo do céu à Terra, até sumir naquele ponto do horizonte onde preparar-se então para eternamente renascer como 🌟 Estrela Matutina.

Acompanho estes ciclos, desde 1994, quando me foi apresentado por um ancião mais nas montanhas da Bolívia.

Em dezembro de 2013, observando atentamente o movimento de retrogradação deste planeta, que começou exatamente por ocasião do Solstício de Capricórnio, me transportei ao tempo imemorial, em pensamento, do CONFINIUM da minha janela para o HORIZON infinito do hemisferio norte, daquele deserto, e por instantes, na instantânea velocidade da imaginação, para muito além dos fatos, ou do modo como me aparecesse o fenômeno como tal, me permiti olhar para o Céu como se fosse pela primeira vez: fui inundado por tamanho espanto quando vi, desde o hemisfério norte para o Trópico de ♑ Capricórnio, o planeta Vênus estacionário, feito 🌟 Estrela Vésper, em sua máxima elongação, ainda alta e distante do horizonte, no mesmo dia do Solstício, da "parada do Sol", quando o "coração de luz" do Sol sobre a Terra entra na "pausa", e começa a se abrir no menor dia do ano, sístole e diástole da natureza. Entrei neste "espaço-entre" um ciclo que finaliza e outro que ainda não começou, entre uma batida e outra do coração, entre uma respiração e outra, entre um pensamento e outro, na luz daquela pérola do céu, brilhante de muitos quilates, "pre-parado" para começar a descida em relação ao Horizonte Infinito, na direção do lugar onde o Sol repousa. Pesquisei nas efemérides, que era justo a partir daquela data que Vênus, vespertina, seria vista, dia após dia, pouco antes do pôr do Sol, descendo em direção ao horizonte.

Imaginei-me no deserto dessa memória, em busca do lugar no tempo em que poderia assinalar o momento exato e lugar geográfico do nascimento de Jesus. Os dias foram contados: cada dia Vênus se aproximava mais da linha que divide os dias mais curtos do ano, das mais longas noites. E justamente no dia dos Reis Magos, insinuando a caminhada em direção à manjedoura, o mesmo sinal como um caminho nas estrelas, seria visto por todos, porém compreendido apenas por uns poucos, alguns dotados de conhecimento inato e sabedoria ancestral, que o seguiram até aquele ponto marcado nos mapas (±/de 2000.atrás), desde sempre, que se repetem em ciclos, para ratificarem entre si a presença de um outro nível de encontro, um Encontro marcado com o destino da humanidade, o planeta mais próxima à Terra, ainda na sua fase vespertina, mergulha definitivamente na luminosidade solar, e desaparece da vista.

É claro que fiquei estarrecido, quando em minha genuína curiosidade, ou eterna ingenuidade da curiosa mente geminiana, vi e "con-siderei" que Vênus desapareceria do céu exatamente no dia 6 de janeiro de 2014, o dia dos Reis Magos. Lenda, ou não, não há no sistema solar nenhum outro fenômeno astronômico, por mais luminoso que seja, que com tamanha precisão descreva o que fora descrito pelo Livro Sagrado. Uma das cinco pontas da "Estrela Vênus" (o único planeta a ser chamado de 🌟 Estrela), no perfeito pentagrama celestial desenhado pelo ciclo de suas conjunções inferiores com o Sol, em sua passagem da fase vespertina para a matutina, "cai em ♑ Capricórnio", e é vista em sua descida no céu oriental, como um luzeiro brilhante, em direção a um ponto geográfico no horizonte, em meio ao deserto, naquela localidade. Esta "con-sideração" pode ser vista como mais do que uma pista para desvendar um dos mais profundos mistérios acerca da Celebração Universal desta data, para a Religião católica, o nascimento de Cristo: o mistério do sinal da Estrela que caminha no céu, descendo à Terra e indicando aos Reis o local da manjedoura, que desaparece quando a Criança é encontrada. A data mais precisa desta passagem simbólica pode ser encontrada a partir de considerações astronômicas de alta especificidade, e de suas significações por mediações simbólicas. Um grande desafio matemático.

Vamos celebrar esta tão memorável data no Encontro: Vênus e os Ciclos do Amor, com a Presença do Amor, em nossa vida: 6 de janeiro e 2018, em que Vênus se aproxima do Sol, para acompanha-lo por Capricórnio durante quase todo céu de janeiro, em sua Conjunção Superior.

Este é um ciclo que se repete a cada 1 ano e seis meses, quando a Conjunção com o Sol marca uma das pontas de um Pentagrama Perfeito ao longo de oito anos: - onde estava seu coração há anos? Este Encontro com Vênus ilumina os Ciclos do Amor em nossa vida, conectando Corações e Mentes com os princípios de Harmonia e Beleza Celestiais, que se expressam no Universo inteiro, representados pelos Ciclos do planeta Vênus com o Sol.

Vamos começar com o Estado de Presença: o alicerce do amor, por meio da Meditação orientada por Fernanda Miguez, Instrutora de Mindfullness International Trainner. Em seguida, Joel Ramos traz a experiência das Manifestações do Amor: Eros, Philia, Ágape e Fati e as frequências vibratórias dos “Çhakras”. José Maria descreve os caminhos quintessenciais de Vênus representados pelos ciclos das conjunções entre Vênus e Sol que se expressam nas proporções áureas da Geometria Sagrada em nossos mapas. E encerrando, Maria Eugênia de Castro, compartilha seu Saber sobre Vênus, o mais importante planeta da vida de todos nós. Sequem abaixo informações sobre a sua inscrição para este evento, lembrando que as vagas são limitadas! Pedimos que deposite o valor 40 reais até o dia 4 de janeiro, e envie comprovante para estrela5pontas17@gmail.com – com identificação de seu nome. No dia o valor será 50 reais, sem garantia de vaga. Qualquer dúvida entre em contato por Whatsapp: 21 999138585, estaremos disponíveis para tirar todas as suas dúvidas. Um abraço fraterno

faça sua inscrição no link: www.oficinadeastrocoaching.com/venus

123 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
Rio de Janeiro: Rua Cosme Velho 
São Paulo: Hotel Mercure, Av. Funchal 111
Telefone: +21 999138585  
Astro*Coaching - CFP 119.893.307-03
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle